segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Uma saudade que define.
Um sino, tine. Aqui dentro, e arde.
É como se um amigo partisse,
É como se sente, a saudade.
Pai, onde estou? Que não estou?
No teu colo.
Na tua sala.
Na tua tenda.
No teu abraço.
No teu conselho.
Na tua presença. (?).
Onde andei e, aonde vou?
Me ajuda, a ser alguém melhor.
A saudade que define.
Um silêncio que grita.
Um grito, que cala.
Uma transformação com aquele amor...
...aquele amor que invade.

2 comentários:

Poliana Dutra disse...

Você ainda está ai?

Diogo França disse...

Estou sim, Poliana! Sempre procurando palavras para escrever a vida aqui no Blog. Com dificuldade mas ainda, vivo.